Coisas que eu também sei.

Eu sei que é fácil: falar; dar conselho; apontar os erros; mostrar caminhos; encontrar soluções para problemas que não são nossos e que, na prática, a coisa é bem diferente da teoria. Mas, se alguém me chega com um problema, pedindo conselho, em alguma coisa tenho que me basear, não é? Cada um tem seu ponto de vista sobre determinada coisa e é de acordo com esse ponto de vista que a situação vai ser analisada e o conselho dado, ou não?

O problema é: nem sempre as pessoas estão preparadas para ouvir aquilo que temos a dizer e rebatem, dizendo que na teoria, tudo é muito bom, que cada um sabe onde aperta o sapato e blá blá blá. Tá, eu sei de tudo isso. Se conselho fosse coisa boa, não se dava, vendia e a peso de ouro!

O que eu sei é que: há coisas que eu acho certas e erradas (como já falei aqui não tem muito tempo), mas que estão longe de serem verdades absolutas até porque num amanhã próximo ou remoto eu posso mudar de opinião, ou pela simples possibilidade de eu estar errada em meus conceitos; existem coisas que serão sempre erradas e mesmo que eu encontre uma boa justificativa para cometê-las, ou que amigos queridos, parentes etc cometam, não deixarão de ser erradas.

De qualquer forma, continuo sem saber como agir quando alguém me pede uma opinião ou conselho. Faço o estilo vaquinha de presépio, que a tudo diz amém, ou digo aquilo que eu realmente penso?

Música de hoje: Coisas que eu sei - Danni Carlos

6 Entra aí!:

byfranzao disse...

ACABEI DE ESCREVER SOBRE ISSO AMORE.......ACABEI......BJOCAS

byfranzao disse...

ps. Amo essa música!!!

Sandra Timm™ disse...

Chuta sem dó.

Quer conselho? OUÇA! Quem mandou pedir.
Papai dizia: "montou no burro? Aguenta o trote!!!"

Odeio povo que pede "parpite" de opinião formada...

andreia inoue disse...

acho que se a pessoa vai pedir conselho,eh pq quer ouvir o que vc tem a dizer,se me pede,eu digo o que acho!
claro que dependendo do caso a gente usa de mais psicologia,ne?mais a verdade tem que ser dita!

Lou disse...

Eu raramente dou conselho.
Primeiro, porque não me acho capacitada para tal.
Segundo, porque às vezes a pessoa só quer falar mesmo e ouvir seus palpites, não exatamente um conselho.
Terceiro, porque é como diz o ditado: se conselho fosse bom seria vendido, não dado. No fim das contas, a pessoa vai fazer o que ela bem entende, não importa quão bom seja o seu argumento. E, se por acaso fizer o que a gente sugeriu e der errado, certamente a culpa recairá sobre a nossa cabeça.
Adoro essa música.
Bjim!

Mauri Boffil disse...

Aiiiiii, vou ja ouvir