Poesia...

Prescindível

Quantos amores um peito pode suportar
Sem ser chamado de masoquista?
E fui cair logo por ti, o protótipo do impossível
Em jogos de azar, ter sorte é mais importante que competir
E surges e somes e reapareces apenas para salvar
De forma vã e egoísta, as minhas esperanças da forca
Pensas em monopolizar o meu apreço, e por isso me contornas
Com pequenas fábulas que falam de promessas
Mas saiba que o tempo esquecerá o teu endereço
Assim como faz com aqueles que impressionam
Sem fortalecer a cicatriz com novos cortes longitudinais
E, da profundidade, um monte se ergue
Colocando, apenas um de nós, no topo
Do fogo, do jogo, do riso e do gozo

Bernardo Almeida
Crimes Noturnos - 2006

2 Entra aí!:

Brito Jones disse...

que lindooooo
Sieger

Simplesmente Fernanda. disse...

Por acaso Bernardo não seria um pseudónimo seu?Esse poema me lembra tanto uma situação..rsrs
Lindo mesmo!