Humildade

Senhor, fazei com que eu aceite
minha pobreza tal como sempre foi.

Que não sinta o que não tenho.
Não lamente o que podia ter
e se perdeu por caminhos errados
e nunca mais voltou.

Dai, Senhor, que minha humildade
seja como a chuva desejada
caindo mansa,
longa noite escura
numa terra sedenta
e num telhado velho.

Que eu possa agradecer a Vós,
minha cama estreita,
minhas coisinhas pobres,
minha casa de chão,
pedras e tábuas remontadas.
E ter sempre um feixe de lenha
debaixo do meu fogão de taipa,
e acender, eu mesma,
o fogo alegre da minha casa
na manhã de um novo dia que começa.

(CORA CORALINA)

Hoje, na Doutrinária, comemorou-se a data de nascimento de Francisco Cândido Xavier (mais conhecido como Chico Xavier) com a leitura de um poema que Cora Coralina fez para ele. Procurei-o para colocar aqui, mas não encontrei. No entanto, vi alguns de seus poemas e escolhi esse para fazer meu post de hoje, já que não queria apenas falar sobre meu dia.

Mais que uma poesia, é uma oração que deveríamos todos adotar. Quantas vezes lamentamos pela vida que temos, enquanto tantos outros queriam apenas uma migalha daquilo que jogamos fora por estarmos de olho sempre no que não podemos ter e que não nos faz falta. Temos uma casa que nos abriga do sol e da chuva; o alimento necessário (e até desnecessário) para nosso corpo; uma cama onde dormimos confortavelmente; saúde para trabalhar e um trabalho que nos sustenta.

Se temos apenas o necessário para nos sustentar, agradeçamos por essa bênção e ajudemos o próximo com um sorriso, uma palavra de conforto, um ombro amigo para o desabafo. Se temos além do necessário, repartamos com aqueles que não têm. Não devemos negar a caridade pela falta de recursos materiais, pois, tirar de onde não se faz falta, não é a maior das caridades. Caridade é doar-se ao próximo, compartilhar com ele das suas aflições e ajudá-lo nem que seja com um simples aperto de mão.

Agradeço a oportunidade que me foi dada de encontrar esse poema, pois é ele que vou apresentar na minha primeira palestra.

Boa reflexão.

Beijos.

4 Entra aí!:

andreia inoue disse...

adorei esse poema,e como voce falou,nao eh so um poema e sim uma oracao,
a gente realmente reclama de barriga cheia,tem tanta gente q tem tanto mais tanto e nao da valor,nao da valor a amizade,nao da valor a sua casa e tudo q conquistou durante a vida,sempre acha pouco o que tem,e sempre quer mais e mais,
gracas a Deus nao faco parte dessa galera,procuro estar de bem comigo,seja na parte fisica(de curtir meu corpo como ele eh,com suas fofurinhas transbordando,hahah)seja na parte mental,
por isso nao me sinto bem conversar com pessoas que so fala mal da vida como se fosse um suplicio e nao uma dadiva,na fabrica mesmo tinha cada criatura,e ainda tem uns poucos q faz a gente ficar depressiva com cinco frases negativas,la procuro sempre levar um livro,um joguinho e passar o tempo com esses entretenimentos do q em conversas baixo astral,
beijao monica e adorei o q vc escreveu.

byfranzao disse...

Nossa! estou refletindo mesmo.....caraca.....monkinha, te add no msn...bjos.

furanzao@hotmail.com

o_0 (copiei do Rodrigo), ação de reflexão....rs.rs.rs

Adlianny disse...

Mônica querida, que bom que vc já sabe como vai começar sua palestra,queria tanto tanto assistir, sou fascinada pela doutrina e já frequentei vários centros, encontrei um na cidade que to morando e já vou combinar de ir com uma amiga.
O poema é mesmo lindo e nos convida à reflexão, é necessário que estajamos sempre prontos para repensar nossos atos, nossas vidas,pois reclamar é muito fácil, querer mudar é que é complicado.

A palestra será um sucesso tenho certeza e que ótimo que vc sentiu minha falta, me senti agora \o/.
Já estou em casa. recarregando a bateria, tudo que há de melhor estar em casa.

beijoo bem grandeee

Lou disse...

Minha consciência fica super pesada quando reclamo.

Mas, todo mundo reclama da vida, não? Quer dizer, o ser humano é insatisfeito por natureza e, venhamos e convenhamos, muitas vezes as pessoas tem razão de reclamar...

Mas, o poema é realmente muito bonito. Pena que não sou chegada em altruísmo, apesar de ser professora, ha-ha-ha...

Tenho certeza de que a palestra será ótima!

Beijos!