Hoje foi o grande dia. Acordei com dor de cabeça e assim fiquei o dia todo! Como minha "amiga" de todos os meses estava para chegar, deduzi que a dor de cabeça veio substituir a boa e velha cólica. Pelo menos não senti as habituais dores que me tomam quadril abaixo. A fim de melhorar, resolvi tirar a tarde para dormir, já que precisava estar bem à noite. Sorte que hoje eu podia fazer isso.

Cheguei ao teatro pouco mais de 18:30 e nem metade do pessoal tinha chegado, mas quem me interessava já. Tratei de ficar por perto e ficamos lá de conversa. Quando todo mundo chegou, começaram as caracterizações, trocas de roupas e o nervosismo foi tomando conta dos que ali estavam pela primeira vez. Eu mesma quase nem respirava e minhas mãos gelavam de vez em quando.

Inventaram de me deixar controlando o som de novo. Eu queria ficar na minha, concentrada na minha fala porque estava com medo de errar. Mas enfim, fiquei dando ordem ao rapaz do som. Como gato com dois sentidos não pega rato, quase errei o tempo de entrar em cena e minha companheira também nem tinha se atentado para isso. Virei pra ela e falei: "ei, já é nossa vez!". E lá fomos nós.

Como num passe de mágica, o nervosismo foi embora e falei o texto com tranquilidade e segurança. A terceira companheira de cena esqueceu a fala, mas conseguiu improvisar. Depois ficou chorando por ter errado...

Em um local com espaço para quatrocentas e tantas pessoas só compareceram, se muito, trinta ou trinta e cinco pessoas. Mas o importante é que deu tudo certo e conseguimos cumprir nosso papel direitinho.

Agora é esperar as apresentações nos outros dois locais que nos chamaram.

3 Entra aí!:

Lou disse...

Acho que o pai do João Roberto não é taxista, não... O menino estava voltando com a mãe e o irmão de uma festinha, passaram por uma perseguição policial e os policiais atiraram no carro porque confundiram com o de um bandido, mesmo depois que a mãe jogou a bolsa do bebê para fora do carro.

Que bom que deu tudo certo, estréia é mesmo mais difícil.

Mas e aí, o que aconteceu com quem te interessava?

Beijo!

Lou disse...

Ah, eu não sabia que o pai do garotinho é taxista...
Pois é, o ex merece mesmo que eu o sacaneie, mas tudo que eu peço é ditância.
Dois maridos? Hahahaha, uns com tanto, outros com tão pouco...

Sieger disse...

aiii, sera q tem cena no youtube da sua peça?