"Aparências, nada mais."

A Rede Globo agora resolveu retratar a vida de algumas personagens da música de mil novecentos e antigamente e dessa vez mostraram a vida de Dalva de Oliveira e Herivelto Martins (que nem era tão bonito como na versão Fábio Assunção...rs). Confesso que não gostei tanto quanto da minissérie Maysa, mas ambas me fizeram refletir em como nós fantasiamos a felicidade alheia, do quanto pensamos que cantores e demais pessoas do ramo artístico vivem bem, têm tudo o que querem, são lindos, maravilhosos etc. Só que nos bastidores essas pessoas cheias de fama, prestígio, beleza e dinheiro, são como qualquer um de nós e têm todos os tipos de problemas comuns aos seres humanos e às vezes são bem piores que os nossos.


Bem assim fazemos com as pessoas que nos cercam: achamos a grama do vizinho mais verde; a comida  mais cheirosa e gostosa; o marido mais gentil e educado; a mulher mais sensual e interessante; por aí vai... Mas entre quatro paredes ninguém sabe o que acontece e enquanto estamos bem, com uma vida relativamente estável, cobiçamos as infelicidades e inquietações alheias sem nem saber.

Para finalizar, uma musiquinha que ouvi na minissérie e que tenho na versão de Ney Matogrosso: Segredo.




15 Entra aí!:

Déia disse...

É, essa é uma sábia conclusão...

Quem vê o rosto das pessoas, realmente não sabe o que elas passam e sucesso, humpf..não faz definitivamente, ninguem feliz!

As vezes, não gosto desses seriados, pois acabam com a fantasia e os artistas, passam a ser pessoas normais, ou até piores do que o normal!

bj

Elinha disse...

Verdade Moniquinha...

É bom a gente ver essas realidades para poder dar mais valor aos nossos momentos felizes!

Por isso, ótima semana pra vc, de muita felicidade!

xeroooooooooooooo

Marcoso disse...

concordo com tudo q foi dito aqui

ANINHA disse...

Assino em baixo do q vc disse!!! Bjo e uma semana linda!!!

Sandra Timm™ disse...

Todos temos nossas dificuldades. Acho que às vezes sermos reles "figurantes" na vida nos poupa de certas coisas. Podemos nos dar ao luxo de chorar e rasgar a alma quando assim nos sentimos sem ter que fazer um papel que não nos pertence simplesmente para manter aparências e mostrar para os outros que fama e felicidade andam de mãos dadas...

Bela reflexão, dona moça. Como sempre!

Beijo

Rodrigo Brower disse...

Gostei da Dalva e mais ainda da Maysa, realmente todos pensam que a vida deles é luz e sucesso, mas todos tem seus desafios né! =D Bjss

Luna Sanchez disse...

Mônica,

No terreno da fantasia, tudo é permitido, por isso o que não é real, pra gente, é tão mais interessante...

Excelente reflexão, moça. Eu não acompanhei, mas dificilmente alguém bate o Fábio, né? =)

Beijo, beijo.

ℓυηα

Vanderson disse...

EXATAMENTE isso!!
naum tenho mais o q dizer num!!
arrasou!!

Rafa disse...

Infelizmente perdi a minissério.
Mas, é isso mesmo.A gente fantasia e as pessoas nos induzem a fantasiar...
Adorei o texto.

Monica Loureiro disse...

Esta música minha mae sempre cantava pra mim quando eu era pequena....
Vou esperar sair em DVD, pois só consegui assistir um capítulo...

DH ★ disse...

Olá, estou visitando! rs
Adorei seu blog!
Passarei mais vezes depois e com mais calma.
Passa no meu? Tô seguindo!

Beijos ♥

Luciana P. disse...

Oi, Mónica, muito interessante o seu pensamento. Talvez a gente aja dessa maneira por falta de coragem em mudar a nossa própria rotina. Assinamos a sentença de acomodação e vamos lutando os dias para que nada mude, assim não precisamos nos esforçar pra manter o que foi conquistado. É a lei do mínimo esforço. Ótimo o seu post. Parabéns pelo blog.
Gostei!

Beijos!

Elinha disse...

Oi linda!
tem selinho pravc lá no blog.
xeroooooooooooooo.

Se7e/5 disse...

Os comentários que aí embaixo, foram postados no se7emeio.blogspot.com, por um portuga vigarista e o 2º comentário pela amiga brasuca que, segundo rezam as crónicas, faz sessão de streap no msn para esse portuga. As restantes batem palmas e dão saltinhos de felicidade.

“Há uma tristeza muito grande nos corações dos lusitanos: essa fração tão insignificante e imbecil que insiste em se achar inteligente! Mas só se acha, meu povo! Ele não é! Gostaria, mas falta-lhe cacife, culhões, esperteza e humanidade! Coitado! Dá uma pena!!! Kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk”

“7 e meio!
Adoro o seu blog. Você é corajoso, inteligente, escreve bem, tem carisma. Vou te seguir e virei sempre ler as tuas postagens inteligentes e dinâmicas!
O quê? Você acreditou??? uhuauhuauhuauhuauhuauhuauhuauhuauhua Que burro! Tô te tirando pra bobo, sete quintos e não sete e meio. Faltou às aulas de matemática também, além de todas as outras. kkkkkkkrsrsrsrskkkkkrsrsrskkkkkrsrs
Fala sério!”

Assim, se chega a conclusões fodidas, sobre máscaras e capas de verniz que estalam.
Assim, se7e/5 lamenta que o exclusivo de malcriação lhe esteja sendo usurpado sem autorização prévia. Impropério, afinal não é só de exclusiva responsabilidade do se7e/5, o que muito entristece minha pessoa. Sinto muita tristeza em meu coração e estou seriamente pensando em encerrar meu blogue de referência malcriada e grosseira. Quero que saibam que prezo muito a minha humilde ignorância. Se preciso for, farei uma petição pela blogosfera, para que o http://se7emeio.blogspot.com, encerre para sempre. Os meus fodidos agradecimentos à populaça blogosférica e, muito especialmente, a esse Portuga amigo que tanto gosta de foder a luas e sóis por aí. E grato também pela contribuição de verbos, setes e outros poetas. Estou chorando de dor e meu coração está desfeito.

Ajudem este pobre se7e/5! Poderão fazê-lo enviando lencinho de papel para o seu blog.

Muito obrigada!

Liciane disse...

Concordo, todo mundo é igual.
E as vezes quem mais parece feliz, é o mais infeliz.

Beijos querida!